quinta-feira, 3 de abril de 2008

Palavras sem chão

Achei que nunca me faltariam palavras… Mas quando em silêncio se arrastam e tropeçam umas nas outras, deixam de ser caminho… passam a ser chão.
Não sei se são pisadas… quando ando assim, só sinto as pontinhas dos pés.
Não perdem a beleza, nem a cor… não deixam de ter tamanho… só se resumem nas frases que ainda não se conformaram em ser mero instrumento da voz.


5 comentários:

Manel disse...

Ni, palavras sem chão?

A mim parece-me um momento lindo de meditação que quiseste partilhar. Sem palavras e voz… mas de muito rumo no caminho e de pés bem assentes.
Por meditar, no final de cada dia damos conta de tudo que nos faltou. Deus é assim, dá tudo!... Saborear… tem de ser devagarinho
Obrigado, por me teres tirado a angustia que muitas vezes sinto.

Até sempre

de dentro pra fora.... disse...

Achamos sempre que não nos vão faltar...por muitas que tenhamos cá dentro, á alturas em que teimam em não sair...então só ouvimos o silêncio...

Mas é só um pouquinho de paciência que elas voltam,...devagarinho ou em turbilhão...não importa como...mas voltam...

O Profeta disse...

Olá NI, a palavra quando dita não volta à boca,
e afago...às vezes chicote...


Doce beijo

joaquim disse...

A mim faltam-me as palavras para comentar esta tua lindissima meditação...
Por isso leio as tuas e guardo-as no coração...

Abraço em Cristo

avelaneiraflorida disse...

Querida Ni,

as palavras podem ser tudo o que nós quisermos!!!!
Mas o principal obstáculo está no momento em que as usamos!!!!
Palavras doces ou palavras de raiva...elas são apenas os "instrumentos" do nosso sentir!!!
Bjkas!!