terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Olhar-me

Às vezes acho que as palavras estão todas escondidas na solidão… porque é quando me olho que elas faltam. Afinal, também só me sinto sozinha quando me procuro em mim. E sozinha é diferente de vazia. É por estar preenchida, tenho a certeza que até decorada, por tanta gente, olhares, carinhos e presente(s) que esta solidão não me faz chorar triste.
É verdade que na solidão se confunde a saudade, a ausência e um aparente vazio quente, mas o sorriso ao olhar-me distingue-as.
A solidão troca o sorriso pela ternura treinada que pede às estrelas uma noite diferente.
O sorriso do vazio é aquele que surge quando, ao sentir as lágrimas escorregar, percebo que ainda há calor que as aquece.
A ausência sorri porque um dia existiu mais presente.
Só a saudade sorri com esperança e carinho, transforma cada lágrima ao sabor das recordações e pensa, certa, que a esperança não me engana, mas alimenta.
Talvez seja este mundo que me faz olhar-me, não me ver, mas procurar sempre um pouco mais de mim.



1 comentário:

Lira disse...

Adorei!!!

devemos saber sentir-mo-nos e ouvir bem o que temos a dizer, para encontrar as palavras certas a escrever!

beijinhos com sabor a palavras soltas!

fica bem