quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Olá Avó...

Olá Avó...

Disse tantas vezes que nos (aos netos) via sem nos ver..., que hoje escrevo a saber que mesmo sem poder ler vai sentir as palavras.

Partiu na calma da Vida que construiu... As mãos que trabalharam a vida foram por fim amaciando... As rugas de 96 anos eram o rosto das dificuldades ultrapassadas com a força e determinação. Desde tão cedo sozinha a erguer uma família, rezava mais forte a cada terra cultivada.
É inesquecível o seu sorriso ao ver-nos chegar, sempre rasgado a deixar escapar o brilho que não cabia nos olhos. O seu abraço que apertava tanto que não deixava respirar... só suspirar.

E hoje partiu... com a forte fragilidade de uma Vida inteira.



... Não tenho mais palavras... Mas as suas também nunca eram muitas e chegavam sempre.



Ni

4 comentários:

de dentro pra fora.... disse...

..."É inesquecível o seu sorriso ao ver-nos chegar, sempre rasgado a deixar escapar o brilho que não cabia nos olhos"... será sempre, bjs

just me disse...

Quando não há palavras, resta um abraço sentido!

joaquim disse...

E eu também não tenho palavras para ti Ni, a não ser um beijo muito amigo e orante.

José António Carneiro disse...

As vidas cheias de sentido dão sentido até à morte!