quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Vazio pleno

Já passou uma semana e continuo a pensar.
Achei que o sítio pouco importaria para o encontro. Afinal, todos os dias nos encontramos e isso nunca foi problema. Encontras-me sempre, mesmo quando (in)conscientemente me tento esconder. Isto foi-me ensinando, pelo sentir, que, de facto, vives em mim.
Assim, de que poderia interessar o lugar?! Era este o meu pensamento, frio e (ir)racional.
Eis que o barulho das pessoas era absorvido pelo silêncio envolvente...
Eis que a calma transbordava em cada partícula inspirada...
Eis que tudo me fez parar...
Fixaste os olhos mesmo quando deixei de conseguir olhar, esvaziaste-me de palavras, um vazio pleno encheu o coração deixando todo o espaço para nós..., a imensidão de (não) saber sentir e rezar assustou-me e chorei... Sem querer, chorei...
Saí, sem ainda hoje ter vindo embora.
Sinto-me demasiado pequena para o tamanho do Teu Amor.





Ni

2 comentários:

José António Carneiro disse...

No amor somos sempre pequenos e frágeis. Mas Ele que A escolheu para Mãe olha-te e aconchega-te no mesmo amor!

joaquim disse...

É assim, quando nos fazemos pequeninos, frágeis, que Ele nos toma ao colo e acaricia as nossas "fragilidades".

Que bem "dito", Ni!

Um abraço amigo em Cristo