sábado, 6 de dezembro de 2008

sem quebrar o silêncio


Cansada. Deito-me… Imagino o silêncio mas nunca me soube preparar para ele. Pelo meio imagino sempre como deixa de ser silêncio e sorrio.
Hoje trazia ansiosamente o medo. Tremia parada, tapada… tentava que o quente e o (des)conforto me adormecem depressa.
Quebra-se o silêncio. Não o meu. Dói. Dói fundo o meu silêncio. Vou rebentar. O coração bate sem ritmo e longe. Sinto-o desesperado em todo corpo. Faz eco na alma.... a almofada ouve. Tenta conter toda a tristeza sem quebrar o silêncio. Tenta agarrar todas as lágrimas. Prende-as, pensa-as… escreve-as e perde a primeira. Perdeu. Bombeia todas as outras para todas as artérias. Levanto-me. Espalho palavras.
Cansada. Deito-me.


5 comentários:

Carla Sofia disse...

deixo um sorriso feito de raios solares, vamos a animar... vá lá
beijinhos

Lua d'Alma disse...

E é quando menos esperamos q as lagrimas nos traem e teimam em descer... lentamente...
Mesmo que a gente nao queira ver!
Nao temas... elas sao apenas a linguagem da alma a dizer k falta algo!
Ao evitarmos o silencio os pensamentos nao têm forma de se expressar...
E nos estamos aqui p te dar uma palavra amiga..

BeijinhooO

Cris (Mahinder Kaur) disse...

Espero que ao te deitares, deixes que o anjo te envolva num abraço reconfortante. Essa dor, essa dor que tanto murmuras e gritas e choras e silencias... Gostava de saber que unguento a pode diminuir.

Xi com carinho (não sou anjo, mas dou o que tenho)

Pinipom disse...

Há dias assim... mas temos de saber tirar partido desse silencio...há dia em que ouvimos aquilo que mais esperamos nesses silencios agudos e frios...que nos rebentam a alma mas confortam por vezes o coração...
há dias que é preciso ficar em nós...

beijo grande e força linda!

compreendo-te muito bem...

beijo solto

Neia

Cátia disse...

O silêncio por vezes diz tanto, mas outras vezes representa apenas a ausencia...

Deixo-te um abraço apertado, disponivel para te confortar, minha querida...Estou por perto, sempre!

Beijinhos