terça-feira, 20 de novembro de 2007

Calor estranho

Já não havia folhas caídas no chão… aquelas que marcavam o andar… que estalavam debaixo dos pés… e davam cor ao caminho.
Não houve os olhares já habituais da manhã… Os olhos estavam postos no chão ou, pelo menos, tapados pelo chapéu, a evitar desconfortáveis passos.
Parecia de noite e eu tinha sono.
O coração pulsava na cabeça e tentava não pensar para além dos ponteiros a rodar. Impossível… Estava frio… Esbocei um sorriso ao perceber que ainda tinha calor ao deixar fugir, num bom dia, aqueles vapores de dias de Inverno.

3 comentários:

O Profeta disse...

Um calor estranho ou uma forma sublime de saborear o aroma da vida...?


Doce beijo

anawîm disse...

Ni... ai que menina...! eheheh

estou sempre por aqui, pertinho, já sabes...!

deixo-te um abração muito quentinho

Minerva disse...

E os teus olhos também viram um sorriso quando foi dada resposta ao teu bom dia?