terça-feira, 29 de maio de 2007

Senti(do)... outra vez

Não é a dualidade de momentos que entristece, mas sim a dupla de sentimentos que se manifesta.
Quando se tem por medida dois extremos, é difícil encontrar o meio... Não pela virtude, mas pela estabilidade.
Quando se ama e magoa, só a perdoar é possível continuar.

3 comentários:

Anónimo disse...

Simplesmente porque amamos, desejamos que a pessoa amada seja perfeita, incapaz de nos desiludir… Mas,

Às vezes… a maioria das vezes, são aqueles que mais amamos que mais nos magoam. Não porque o sentimento não seja recíproco, longe disso… acontece apenas porque todos nós somos humanamente imperfeitos e, como tal, com direito a falhar.

Cabe a nós, que amamos, … o dom perdoar … Este é dos dons mais sublimes e também dos mais raros do ser humano, a prova inequívoca da posse de um coração capaz de amar infinitamente.

O perdão faz bem. Não só à pessoa que falhou mas, sobretudo a quem perdoa. Quando me permito perdoar, quando me sinto com a capacidade de ter um gesto de perdão, é como se fosse envolvida por uma alegria que me devolve a paz, a tranquilidade…Faz sentir-me leve, Feliz.

Perdoa… só assim se consegue continuar. Só assim se consegue ser Feliz!

Anónimo disse...

Amar implica, pequenos recomeços de quem magoa, e de quem perdoa.

«O amor não se compra, constrói-se.
Não é um vestido ou um fato prontos para usar.
Mas uma peça de tecido que precisamos de cortar, montar e costurar.
Não é um apartamento, entregue de chaves na mão.
Mas uma casa a ser planeada, construída, sustentada e, ás vezes, reparada.
Não é uma montanha vencida.
Mas a partida desde o vale, com subidas apaixonantes, quedas perigosas.
No frio da noite ou no calor do sol brilhante.
Não é um pouso seguro no porto da felicidade, mas o levantar de âncora e viajar no alto mar, na bonança ou na tempestade.
Não é um "sim" triunfante, enorme ponto final que se escreve em música, entre sorrisos e aplausos, Mas uma imensidão de "sins" que pautam a vida, entre uma multidão de "nãos" que apagamos caminhando.
È levantar-se de novo e sempre caminhar.»

(Michel Quoist)


R.I.

Catarina disse...

Adorei o teu blog.

(Re)li-me praticamente em tudo o que escreveste.

Boa sorte para ti