segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Poema tão (pouco) meu...


Procuro-me nas palavras escritas,
Talvez nunca ditas...
Tento ler-me nas linhas
(E entrelinhas...)
Que sonho ler
Por nunca as ter...
Procuro segredos de mim,
Porque mesmo antes do fim,
Eu (não) sei que vai existir
A razão de assim sentir:
Eu, inteira, em cada pedaço
Seguro só pelo entrelaço
Dos versos
Com os reversos
De um poema tão (pouco) meu...







Ni

2 comentários:

brisonmattos disse...

Pra mim vc é "TODA" poesia...E talvez vc nem exista de verdade, porque os perfeitos só vivem nos livros.

Vivian disse...

...sempre linda, sempre poética
sempre perfeita com as palavras!

saudades de estar aqui!

bjs

Vivi